Search

 

 

Os filmes premiados da 13ª edição do Festival Chico de Cinema e Vídeo serão exibidos na Mostra Itinerante, que será realizada pela organização do Chico em parceria com a Universidade Federal do Tocantins (UFT). A previsão é de que a mostra aconteça ainda neste mês de outubro nos campus da UFT em Palmas, Porto Nacional, Araguaína, Gurupi, Tocantinópolis, Arraias e Miracema. Os filmes serão exibidos até o mês de dezembro nos campi da UFT, além de outros pontos de exibição na Capital e interior do Estado.

O Festival aconteceu de 25 a 29 de setembro e consagrou vencedores nas mostras Infâncias, Regional, Brasil e Tocantins com votação popular. As duas últimas também foram analisadas pelo júri técnico composto por Sérgio Soares, Denise Jancar e Marcelo Ikeda. Foram 48 filmes concorrentes

Na Mostra Brasil conquistou o título de Melhor Filme Estamos Todos Aqui, de Chico Santos e Rafael Mellin. “Pela oportunidade de realizar uma reflexão aguda sobre os espaços de vida e de direito no Brasil atual, sem perder de foco uma maneira autenticamente cinematográfica de falar”, justificou o presidente do Júri, Sérgio Soares.

Os jurados cederam ainda título de Menção Honrosa na Mostra Brasil para a atuação de Rosa Luz, em Estamos Todos Aqui, pela representação de várias vozes em busca de inclusão - a voz da pobreza, a voz trans, a voz do direito à cidade – desfazendo clichês em cada uma delas.

Já na Mostra Tocantins, o Festival premiou as categorias Júri Técnico e Júri Popular. Os cineastas André Araújo e Roberto Giovannetti, de Palmas, levaram para casa cinco estatuetas pelo Júri Técnico na Mostra Tocantins com duas produções diferentes – o documentário Labirinto de Papel faturou Melhor filme, Melhor Diretor e Melhor Roteiro, enquanto o curta-metragem Olhai Por Nós conquistou o título de Melhor Fotografia e Melhor edição. “Labirinto de Papel ganha pela capacidade de fazer avançar o cinema tocantinense, ao unir uma discussão necessária sobre o papel da História ao apuro técnico”, disse Sérgio Soares.

Filmes

Com uma linguagem que mistura relatos e animação, Labirinto de Papel trouxe documentos e relatos que esclarecem casos de violações dos direitos humanos no Tocantins durante o período da Ditadura Militar no Brasil (1964-1985). Já Olhai por Nós é um documentário em curta metragem que converge para o audiovisual a história do desenvolvimento da peça teatral de mesmo nome, desenvolvida pela Lamira Artes Cênicas. “Foi muito interessante ver a preocupação do Festival em premiar a qualidade técnica, sentimos aí um reconhecimento pois foi muito empenho e muito estudo para a gente melhorar enquanto realizador”, disse o cineasta André Araújo.

Na categoria Júri Popular, saiu vitorioso o filme “A massa que faz o pão”, de Hélio Brito. “Estou muito feliz com o resultado e ainda mais com o retorno do Chico à atividade, pois é uma valorização aos profissionais do audiovisual no Estado”, disse Hélio Brito. O festival foi realizado pela última vez em 2013. No total, foram exibidos cerca de 40 filmes, com mais de 700 minutos de histórias. Durante as exibições, o público votou no melhor filme das mostras Infâncias, Regional, Brasil e Tocantins, sendo que nas duas últimas há votação também do júri técnico.

Conforme as cédulas distribuídas em todas as sessões, o júri popular foi aferido em relação às notas e quantidade de pessoas presentes. Não foram computados cédulas onde apenas um filme foi votado.

Realização Jubalina Produções e Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura do Brasil através do Fundo Nacional de Cultura, tendo correalização do Centro de Imagem e Som e coprodução de Produza.

 

Vencedores

 

Júri Popular

■ Mostra Regional:

Três (DF), de Pedro Souza e William Costa

■ Mostra Infâncias:

Cadarço (SP), de Eduardo Mattos

Mostra Brasil

Demônia (SP), de Cainan Baladez e Fernanda Chicolet

■ Mostra Tocantins

A massa que faz o pão, de Hélio Brito

 

Júri Técnico

 

Mostra Brasil

· Melhor filme: Estamos Todos Aqui, de Chico Santos e Rafael Mellin

Menção honrosa para a atuação de Rosa Luz, em Estamos Todos Aqui

■ Mostra Tocantins

· Melhor filme: Labirinto de Papel, de André Araújo e Roberto Giovannetti

· Melhor diretor: André Araújo e Roberto Giovannetti, por Labirinto de Papel

· Melhor roteiro: Labirinto de Papel, de André Araújo e Roberto

· Melhor fotografia: Olhai por Nós, de André Araújo e Roberto Giovannetti

·Melhor edição: Olhai por Nós, de André Araújo e Roberto Giovannetti

· Menção honrosa para o filme No Avesso da Noite de Palmas, de Bruna Irineu

 

 

 

 

 

O Festival de Cinema e Vídeo do Tocantins (Chico) está de volta. A 11ª edição do evento acontece a partir da próxima terça-feira, 25, até sábado, 29, com atividades no Cine Cultura e também no CineSesc. Serão exibidos mais de 40 filmes numa programação de 26 horas. A mostra abrangerá curtas-metragens de todos os gêneros, em língua portuguesa.

A última vez que o festival foi realizado foi no ano de 2013. "A satisfação em retomar o Chico após cinco anos é muito grande. O setor audiovisual cresce mais a cada dia na região e no país e um projeto como o Chico deve acompanhar este crescimento", disse a diretora executiva do projeto, Juliane Almeida.

A programação de abertura, na terça-feira, 25, contará com pré-estreia do longa-metragem Marcha Cega, de Gabriel di Giacomo. A duração é de 88 minutos e a classificação de 12 anos. O documentário chega às salas de cinema de todo o Brasil no dia 27 de setembro e foi produzido durante as manifestações que ocorreram em São Paulo nos últimos anos, quando a Polícia Militar foi responsável por agredir violentamente, ferir e prender uma série de manifestantes.

Diariamente serão exibidas produções de todas as mostras – Infâncias, Regional, Brasil e Tocantins (www.festivalchicom/programacao). Já no sábado, 29, haverá programação voltada para formação em audiovisual, com rodas de conversas e palestras, ministradas pelos jurados e curadores do Festival Chico, gestores, pesquisadores e realizadores.

 

Premiações

 

O público vai poder votar no melhor filme de todas as mostras, que serão premiados com o Troféu Chico 2018. O Júri Técnico avalia as mostras Brasil e Tocantins. O produtor do Melhor Filme Tocantins e o realizador do Melhor Filme Brasil, segundo o Júri Técnico, vão receber como prêmio a participação em um festival de cinema internacional.  Na categoria Tocantins serão ainda premiados Melhor Fotografia, Melhor edição, Melhor Roteiro e Melhor Direção, este último recebendo, que também serão premiados com troféu. As premiações do Festival Chico 2018 acontecem no dia 29 de setembro, na cerimônia de encerramento do Festival.

O Júri Popular, constituído pelo público espectador, escolhe o Melhor Filme em todas as mostras: Mostra Brasil, Mostra Tocantins, Mostra Infâncias e Mostra Regional. Os filmes com maior número de votos em cada exibição serão premiados com o Troféu Chico 2018.Além disso, o Júri Técnico concede o Prêmio Especial ao Melhor Filme da Mostra Tocantins, destinado ao diretor ou produtor do filme, com uma Residência Artística Internacional em festival de cinema realizado na América Latina em 2018. A produtora Mistika Post oferecerá um prêmio especial para o Melhor Diretor do Tocantins, sendo R$ 4 mil em serviços de pós-imagem.

 

Júri

 

Edu Fernandes, um dos curadores do Festival Chico, disse ter ficado honrado em participar do processo. “Foi com muita honra que recebi o convite de participar da comissão de curadoria do Chico em uma edição tão especial, de resgate de uma importante janela para o cinema na região Norte. O cinema estava carente do Chico”, disse Edu Fernandes.

Presidente do júri técnico, Sérgio Soares considera que é necessário mais investimentos na circulação e na difusão do audiovisual tocantinense.“Um festival com tradição se torna uma fantástica janela não só pra premiar o que está sendo feito agora, mas para gerar ideias, relações e esperanças para o cinema”, aponta.

 

Foto: O Menino Leão e a Menina Coruja- - Laila Varaschin

 

MOSTRA BRASIL (15 filmes, 178’)

 

Afronte (DF)

Anamnese (RJ)

Arara: Um Filme sobre um Filme Sobrevivente (MG)

Carne (RJ)

Cabra Fêmea (BA)

Casa Cheia (PE)

Close (CE)

Demônia – Melodrama em 3 Atos (SP)

Entre Sós (RS)

Estamos Todos Aqui (SP)

Lésbica (BA)

Nascida para Matar (SP)

Nomofobia (PB)

Nós por Nós (DF)

Um Filme de Baixo Orçamento (SP)

 

 

MOSTRA REGIONAL (12 filmes, 147’)*

 

Até que a Última Luz se Apague (AM)

Canção do Amor Perfeito (PA)

Não Falo com Estranhos (BA)

Nenúfares (CE)

O Tesouro de Cavendish (RN)

Piracema (TO)

Rotina e Depressão (TO)

Ruas de Rio (AM)

Só na Legenda (MA)

Três (DF)

Voyeur (GO)

Vento Menino (MA)

 

 

MOSTRA INFÂNCIAS (11 filmes, 184’)

 

A câmera de João (GO)

A Fuga (SP)

Cadarço (SP)

Manche (SP)

Meu Pequeno Herói não Sabe Voar (SP)

Os Guerreiros da Rua (PE)

O Menino do Dente de Ouro (RN)

O Menino Leão e a Menina Coruja (DF)

Quatro Estações (SC)

Vai que É Sua Tafarinha (AM)

Xavier (SP)

 

 

MOSTRA TOCANTINS (10 filmes, 174’)

 

A Massa que Faz o Pão

Fuga

Gigantes de Palmas

Labirinto de Papel

Menina Bonita de Trança

Mulher Guerreira

No Avesso da Noite

O Espetáculo das Américas

Olhai por Nós

Tá Longe

_______________________________________________________________________

Total de filmes selecionados: 48

 

*A Mostra Regional ainda poderá ter filmes convidados

** O Festival convidará um longa em caráter hors concours