Updated: 21 de Out de 2018

 

 

 

 

 

Um forma de [re]criar conexões positivas. Um despertar para um estilo de vida com propósito sustentável, por isso Lab, que originalmente é um local de novas e evolutivas experiências. Diferente dos tradicionais laboratórios, aqui todos podem participar. Nosso Lab é itinerante, além dessa casinha digital, a gente está presente no mundo real. Fica de olho na programação no stories da VAYBE e participe.

Ah, e a gente adora um convite pra conhecer novos espaços, novas pessoas e claro, [re]CRIAR novas conexões.

Chama a gente no direct ou mande email para: contatovaybe@gmail.com

 

Somos gente que se importa com gente. Somos Reais!

 

Tags: #Blog #Lab #Lifestyle #consciencia #sustentabilidade #slow #slowliving

Updated: Set 2

E um belo dia a gente acorda, e entende que propósito, missão e etc, são apenas rótulos que a gente passa um tempão se enfiando para justificar a existência por aqui.

 

Mas o fato, é que somos muito mais que definições e caixas de um mundo de pouca luz.

 

Não estou aqui para dizer se é certo, bonito ou errado, mas pra te contar uma coisa.

 

O que realmente importa é a sua decisão de fazer algo pra valer, de ser luz e saber compartilhar. E a sua coragem de encarar de frente realidades tão distantes, e de tomar a difícil decisão de ser luz na dor, é transformador.

 

Te asseguro que vai dar muito medo ou insegurança seja:

  • Mudar de carreira após tempos acreditando que era aquilo que idealizou;

  • Criar um projeto novo;

  • Criar uma planta, ou cortar a franja no espelho;

  • Estudar sobre qualquer tema, ou nada, sobre o mundo espiritual ou física quântica;

  • Olhar o stories do boy, e rezar para não ter mini infarto;

  • Encontrar sua alma gêmea;

  • Mudar de roupa, de rótulo ou de país;

  • Ou ir á lua.

(sem sustos, hoje tudo é possível!)

 

Quaisquer das opções acima, e tantas outras, vai te dar um medo absurdo, seja mais ou menos intenso para alguns, é certo que vai te sacudir, te virar do avesso, sabe por que?

porque você sai da zona de conforto, e ai se deparar com sentimentos antes nunca experimentados.

 

Mecfaz? Ah, tou longe de saber!

 

E como saber se estais no caminho certo?

 

Ah, fácil. Quando tocar seu coração, sua alma, aquilo que arrepia, seja no amor ou nos projetos do mundo material.

 

Essa é a hora de seguir, de arrumar coragem nas esquinas da dúvida, e pedir ajuda ao criador para ter coragem!

 

Alerta: Não entre em arapuca!

 

Antes de jogar tudo pra cima, faça um bom planejamento, prepare a vida, a conta bancária, o coração e se possível, faca com cautela, nunca faça nada sem antes avaliar todas as possíveis formas de amenizar o caos.

 

E lembre-se, que quase sempre não precisa jogar tudo pra cima não, e ai mesmo com toda essa bagagem que você precisar agir.

 

As vezes o propósito precisa ser: Manter-se forte, pagar os boletos e não encher o saco!

Não gormetizar problemas simples e focar em fazer o básico com excelência faz parte da vida real.

afinal, fazer tudo isso aí, exige muita coragem e dedicação, tá!

 

Entenda: Quase sempre você TEM tanto, e não sabe!

 

(isso é muito mais para quem vive o dilema do tal propósito, ok?!)

 

Eu nunca fui frustrada na minha vida, nem como minha escolha profissional, sou muito feliz e realizada nessas escolhas. Claro que vivo outras dramas e anseios que busco ajuda para resolver. Ah, e não me coloco como bom exemplo para ninguém, é apenas uma compartilhar de vivência.

 

Bom, com o passar do tempo, com a busca espiritual através do estudo da Kabbalah, me sentia incomodada por não fazer mais. Não leia fazer mais no profissional, mas sim fazer algo pelo próximo, por pessoas que precisam! Não estou falando de dar esmola na rua, isso é dever, e não trabalho voluntário onde há um compartilhar muito forte!

 

Ouvir que precisamos compartilhar, se torna uma dúvida cruel.

COMO ASSIM? O que é isso? Pra quê?

 

Mas isso vira um mantra, e nos provoca a se mexer!

Eu demorei entrar em ação. Demorou um tempo entre o desejo e o agir.

Por mais que tudo tenha seu tempo, eu confesso que eu fiz corpo mole por um longo tempo, e só há menos de 1 ano, eu entrei em cena pra valer (leia-se, eu tomei a decisão de buscar o "como" fazer isso).

 

Tomei coragem, e escrevi um projeto na VAYBE, que busca capacitar mulheres em vulnerabilidades socioeconômica, usando as ferramentas que mais conheço, moda e network, usando o que talvez faca de melhor: Conectar pessoas.

 

Me assusto em escrever isso, por ser uma pessoas racional, um tanto antipática, mas incrivelmente eu vim com esse dom de conectar pessoas e terminativas.

Tks, D'us!

 

P.s: Eu sempre vou acreditar, que a luz é minha força maior, e sem ela eu não estaria por aqui para contar essa resenha.

 

Eis, que o projeto ganhou corpo, magicamente ganhou novos parceiros e está voando. e neste voo, eu me deparei com mundos tão distantes porém tão reais! Que susto, que medo de encarar fora dos noticiários a verdade nua e cura, sobre a violência contra mulheres em todas suas formas, de ver de perto a dor de tantas outras, e é impossível não comparar as realidades e sentir vergonha (isso mesmo!) de viver em um mundo tão desigual!

É triste, é doloroso, é inexplicável ver de perto, mas é tapa na cara de exemplo de superação não pela dor, mas pela coragem dessas almas que saem sem NADA material e psicológica na maioria da vezes, mas conseguem seguir vivas, e parte delas decidem compartilhar experiências e trabalharam se tornando cura para tantas outras vidas.

 

"Voilà",

Estou buscando força na luz para desistir, para não voltar a caixa do 'me deixa quieta', pra seguir certeza de que possamos ser centelha, possamos ser um dose de paz no caos.

 

Que possamos despertar o desejo pela vida nessas tantas outras almas, seja pela arte, pela moda, pelos exemplos, pelo conhecimento do poder da luz acima de tudo.

 

 

 

Convocada para tantos desafios, eu nunca pensei em voar em mundos tão distantes daquele de uma menina do cerrado, que amava brincar no jardim e sonhava ter família de conto de fadas (esse sonho ainda existe aqui dentro cada dia mais real!), mas aqui estou, longe de casa, onde sempre quis viver, bem mais perto do criador, perto do que está escrito para minha alma nessa jornada da vida.

 

Não foi por acaso que os caminhos me trouxeram até aqui, e mesmo com medo de não dar conta, algo me conforta!

 

Ao criador toda minha gratidão, por me mostrar onde preciso de luz e de ser luz, e por enviar tantos recursos em forma de anjos para caminharmos juntos!

 

Este texto, é inspirado em uma tarde do dia 31/08/2019, reunião com uma ONG, a AMAC para fechamos a pauta do projeto Compartilhar em parceria com o Kabbalah Centre.

para maioria, um texto, para mim, uma revolução de sentimentos, lagrimas, ensinamentos e certeza.

 

E ali, eu apreendi que não é a dor que nos fazem fortes, mas sim a coragem de transformar a própria dor, em forma de cura para tantas outras almas.

 

Muito obrigada as almas ali presentes, à luz que nos guia nesta caminhada, e ao começo de uma nova etapa, que chegou como força total.

 

Foto: AMAC, VAYBE e Kabbalah Centre juntos no projeto Compartilhar.

 

É isso. Mova-se!

Comece por algum lugar à ser uma pessoa melhor.

Seja tratando melhor quem está a sua volta, honrando seus pais, seja buscando um trabalho voluntário, seja não falando mal das pessoas.

 

Olhe para suas sombras e busque achar luz para si, e talvez dessa forma você não precise de rótulos para justificar sua existência e sim achar uma maneira de ser intensamente feliz superando as dores.

 

Desejo que fique, tem muito amor por aqui.

 

Um bjo,

Andréia Musa

 

Updated: 21 de Out de 2018

 

Você já parou para pensar quanto tempo você fica off-line?

 

É comum a gente acordar e antes de iniciar as atividades, olhar as redes sociais, ver as notícias, compartilhar, publicar e claro, conferir o WhatsApp. É isso, virou hábito.

 

De fato, toda essa tecnologia é muito legal e fundamental para a evolução da humanidade (acreditamos nisso!). Foi um salto na maneira de buscarmos conhecimento e facilitar o dia a dia. Mas vale a pena fica ligado (ops, rs!) nas conexões que fazemos ao acessar esse mundo digital.

Afinal, é tanta novidade com validade perecível, tanta informação para ser consumida, uma chuva de aplicativos, tendências disso, daquilo, algoritmos em todas as páginas, em fim, uma explosão em tela aberta.

E quando a rede de dados falha? Pior ainda quando esquece o celular em casa. O mundo parece que vai acabar se ele não for imediatamente resgatado. Tem gente que, se acordar na madrugada, é capaz de perder o sono lendo WhatsApp e so consegue dormir depois que responder.

Pera! respira um pouco, e sai dessa onda louca de achar que não tem vida sem o tal do "digital". Que tem que responder correndo porque o WhastApp apitou, quem tem que responder todos e sobre tudo, e ser conhecedor de todos os assuntos para ficar "ligado. Se liga, isso pode te fazer muito mal.

Não é um julgamento, mas sim um alerta pra gente colocar um certo limite, para ser legal e não ser chato e causar problemas.

 

É mesmo essencial tudo isso o tempo todo? Não sei.

 

Mas fato, que sabemos, que o limite é a gente que dá. Se não clicar, não vai cair dos céus, pelo menos ainda não, né. E não adianta falar mal. É você que permite não a "conexão".

Gente, esse papo aqui está longe de ser uma crítica a era digital, e jamais ditar o que é certo ou errado pra você, ok?!

 

Mas é para dizer que as vezes é importante re [pensar] seu consumo digital, da mesma forma que você se preocupa com os demais consumos.

Uma boa maneira de saber, se está te fazendo bem ou não é observando sempre sua time line, o feed de notícias, os tipos de conteúdos compartilhados e publicados pelos seus relacionamentos digitais, e tudo o que é mostrado quando você acessa.

Avalie se isso é divertido, irritante ou até mesmo se pode te despertar para algo que faz parte dos seus valores. E na boa, senão te faz bem, corre disso!

 

Desconecte-se, deixe de seguir, silencie os alertas, e elimine o que possa trazer desconforto já no início do dia, afinal, para muitos de nós, isso vem antes de uma xícara de café e antes de dormir.

 

E nesta insana era de conexões digitais, o offline torna-se essencial para uma rotina mais leves e nos faz cair na "real". Não é deixar de lado o digital, mas sim fazer escolhas inteligentes e claro, buscar oportunidade offline que você se identifique para equilibrar o consumo.

 

A vida real é muito mais legal quando a gente usa o digital como fonte de crescimento e diversão sem causar danos, sem nos colocar em risco, nos expor diante de fatos que nem sempre as redes sociais é o melhor lugar para ser discutido, e isso tem que ser lembrado sempre. Você nunca vai saber a real intenção de quem curte, ou comenta suas fotos, por exemplo.

 

Precisamos resgatar o essencial para nossa rotina e aprender a dizer: Isso eu não quero!

Faça conexões reais:

  • Caminhar sem o celular nas mãos;

  • Silenciar os alertas de mensagens quando precisa se concentrar em alguma atividade;

  • Deixar o celular na bolsa no restaurante. Afinal, exceto que você vida disso, ninguém precisa acompanhar online seu jantar;

  • Assistir a um show sem transmissão ao vivo. Já temos várias fontes oficiais pra isso, né;

  • Escrever uma carta, mesmo que pra você com seus sonhos, metas e desabafos. mesmo que depois vá joga-la fora, ou rir de tudo isso;

  • Guardar uma foto do jantar com sua família, da viagem que fez com seu amor e imprimir para colocar no porta retrato.

E mecfaz tudo isso? Desligando o celular, deixando o computar de lado, e evitando o caos digital, mesmo que por tempo limitado.

Escolha um momento do seu dia para ler um bom livro, fazer um passeio ao ar livre. Tomar um vinho. Um lugar silencioso, ou não (rs!) que você possa se reiniciar. Fique conectado com o momento, dê importância as coisas simples, como por exemplo, caminhar descalços na areia, tomar banho de mar, de rio, meditar, ouvir uma música prestando atenção na letra, tomar um café observando as pessoas da mesa ao lado, ou contemple algo novo.

 

Permita-se entrar no "modo avião". Inicie suas conexões com o mundo real. É SIMPLESMENTE incrível. Fique OFFLINE.

 

Para quem quiser fazer essa conexão, procure na sua cidade locais que oferecem aula de yoga por doação consciente, ou até mesmo e graça. Grupos que fazem encontros para meditar. Procure aulas de bordado, macramê, desenho e outras atividades simples e reais.

 

Pra quem mora no Rio de Janeiro, vou deixar aqui algumas dicas.

  • O studio www.saraswatistudio.com toda semana tem o "Encontros e Reencontros" , e com diferentes atividades, e uma vez por mês tem uma meditação guiada pela Aline Lisboa, que eu recomendo de olhos fechados para todxs. Isso mesmo, não importa se você nunca meditou, se já tem prática ou se nunca se interessou. Vai lá que depois a gente conversa, rs! Ah, e essas atividades são por doação consciente (você paga o quanto pode.

Tem outros projetos também com propostas que vale a pena experimentar.

  • O projeto @projetoyogue.se oferece todo mês pratica de Yoga na Lagoa ao ar livre com entrada free (gratuita). Dá uma espiada no instagram que eles sempre avisam por lá.

  • O espaço arte de viver, tem um dia na semana que é aberto ao público para meditação com entrada gratuita. Recomendo consultar nas unidades os horários e dias disponíveis no site www.artedeviver.org.br. No perfil deles no facebook sempre tem convite de encontros para meditar ao ar livre durante a lua cheia, por exemplo.

E tem muito mais locais que oferecem atividades com preços acessíveis e até mesmo free (gratuitas). Dá um "google" ai que certamente você vai encontrar. O legal disso, é você poder experimentar antes de fazer o investimento financeiro e depois se arrepender.

 

E pra gente encerrar, observaram que no final do nosso papo, o digital se mantém presente? Sem a conexão digital você nem estaria lendo este post, e teria mais dificuldades em encontrar maneiras para te levar de volto ao mundo real.

 

E pense nisso. A ciência nos trouxe muitas coisas para conviver, mas não pelas quais viver.

 

Gente, quem tiver outras dicas de atividades, compartilha aqui nos comentários por favor.

 

Um Beijo!

#lab #blog #lifestyle #offline #slowlife #despertar #vaybe