• Eduardo Pasqualin

 

 

O que é a Migração das AMs?

A migração das rádios que operam na faixa AM para o espectro das FMs visa fortalecer as emissoras de rádio que hoje são prejudicadas pelo abandono do dial. Esse abandono é motivado pela presença de interferências na faixa AM que acabam inviabilizando a sintonia dessas estações por parte dos ouvintes. Quanto maior o centro, mais difícil é a captação. No FM essas emissoras terão uma sintonia mais fácil e uma qualidade de áudio superior. O Decreto que autoriza a migração foi assinado pela presidente da República Dilma Rousseff em 7 de novembro de 2013.

 

Faixa estendida

O dial FM de vários locais não comportam novas emissoras, ou pelo menos o número de estações que virão da faixa AM. Por isso será criado o dial estendido (ou faixa estendida), que vai de 76.1 MHz até 87.5 MHz (hoje as emissoras de rádio em FM utilizam canais entre 87.7 MHz até 107.9 FM). Essa faixa estendida deverá ser utilizada em grandes centros como São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Curitiba, entre outros, respeitando assim as condições atuais da faixa FM “convencional” (utilizada pelas FMs atualmente). Nos dials FMs não compatíveis com o número de estações AMs que pediram migração, a faixa estendida será utilizada.

 

Os problemas da faixa estendida

São dois problemas principais: o primeiro é a inexistência dessa faixa na maioria dos receptores que hoje são utilizados pelos ouvintes e/ou estão disponíveis no mercado. A intenção do Governo Brasileiro é incentivar a presença do FM estendido nos novos receptores que serão fabricados, sejam na linha automotiva como também em outros modelos mais básicos. Como isso leva tempo as AMs que forem para o FM estendido provavelmente continuarão operando em AM por um período com previsão máxima em aberto, isso para que a audiência se adapte com a mudança.

O segundo problema é que a liberação desses canais estendidos não é rápida. Esse espectro em FM compreende os canais 5 e 6 da TV analógica, essa que ainda não migrou totalmente para o sinal digital. A previsão de desligamento desses canais é para 2016, não sendo a primeira data dada pelo Governo (que esperava que a migração da TV fosse mais rápida).

 

As vantagens do dial estendido

É uma faixa ampla que será utilizada pelo “novo FM”, ampliando de forma significativa o número de estações disponíveis ao público, Outra vantagem é de que boa parte da população tem ouvido rádio através dos receptores em FM presente em aparelhos celulares, esses que já possuem a banda estendida disponível e uma simples reprogramação do rádio FM dos smartphones facilitaria o acesso ao “novo FM”. A maioria dos celulares com rádio que estão no mercado não disponibilizam recepção de rádios na faixa AM.

 

AM no FM “convencional”

As emissoras que operam na faixa AM e que pediram a migração para o dial FM em regiões do país com o dial menos congestionado poderão ter a sua migração efetivada de forma mais rápida. Nesse caso não haverá a necessidade de transmissão simultânea entre as faixas AM e FM durante um determinado período de tempo.

 

Quem pediu a migração

Segundo o Ministério das Comunicações, cerca de 80% das rádios AM em todo o Brasil fizeram o pedido durante as audiências públicas iniciadas em março de 2014. As demais, que ainda não fizeram o pedido, poderão entregar o requerimento até novembro deste ano, quando termina o prazo determinado pelo decreto sancionado pela presidente da República, Dilma Rousseff, em novembro do ano passado. A migração não é obrigatória e as rádios AM que tiverem abrangência local poderão adaptar suas outorgas para abrangência regional, aumentando assim a captação do seu sinal.

A partir de agora, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) estudará as frequências indicadas pelas emissoras para levantar a viabilidade técnica. Caso o dial da região seja considerado “carregado”, as rádios terão que esperar a abertura do chamado “dial estendido”, que ocupará os canais 5 e 6 da TV analógica (de 76 FM a 87 FM).

 

Conversões

As rádios que operam na faixa AM terão uma certa redução de sua área de cobertura, porém não no porte. Por exemplo: o sinal AM propaga com facilidade à longas distâncias durante o período noturno, fato que é mais incomum com o FM. Porém o rádio conta hoje com a internet para essa captação à distância (já que boa parte das estações disponibilizam seu áudio de forma on-line). A adaptação das rádios na faixa FM será conforme o porte que essas emissoras possuem no AM. Foi fechada uma tabela de conversões entre as classes existentes no AM e aquelas do FM (saiba mais sobre essas classes).

Lembrando que as classes determinam o porte e o contorno protegido dessas rádios. Custos da migração

Mudar de AM para FM representa um investimento de em média R$ 140 mil, na avaliação de Rodrigo Neves (presidente da AESP – Associação das Emissoras de Rádio e TV do Estado de São Paulo), considerando que a maioria das emissoras opera em uma potência de classe C, de até 1 KW. O valor cobre o pagamento da adaptação da outorga e os custos de modificação de estúdio, transmissor, de antena e torre. Contudo, de acordo com o presidente da AESP, a migração tornará as rádios mais competitivas.

Os valores para as novas outorgas já foram definidos e divulgados pelo Ministério das Comunicações no histórico dia 24 de novembro de 2015. Para se chegar nos números finais foram considerados vários critérios econômicos e sociais. Os indicadores que tiveram o maior peso da decisão dos valores foram: PIB [Produto Interno Bruto], IDH-R (Indicador de Desenvolvimento Humano / Renda) e IPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) de cada cidade e região das rádios AMs que solicitaram a migração. Esses dados também foram equilibrados com os portes técnicos de cada emissora migrante (classe de operação / potência), além da disponibilidade de canais em FM “convencional” (88 a 107 MHz) ou “estendido” (76 a 87 MHz), Naturalmente os valores mais altos ficaram com as emissoras de São Paulo (capital), que cobrem a área mais populosa e de maior relevância econômica no país.

 

Access Web

5 views
  • Eduardo Pasqualin

 

 

A Teletronix listou alguns motivos que levam uma emissora a perder ouvintes, e também em seguida mostra algumas sugestões de como reverter a situação, gostamos e trazemos agora para vocês:

Motivos que levam a sua rádio a perder ouvintes

Antes de tudo é essencial conhecer a causa da baixa audiência para conseguir planejar maneiras de combatê-la. Conheça algumas razões que podem estar desencadeando a perda de ouvintes na sua rádio:falta de conteúdo interessante — informações irrelevantes ou mal organizadas;falta de atualizações — site responsivo, perfil em redes sociais;falta de investimento para a automatização e otimização de processos;diversas outras opções de lazer e entretenimento;falta de direcionamento do conteúdo — programação confusa.

Maneiras para recuperar a audiência da sua rádio

Conheça a seguir algumas estratégias que podem auxiliar a resgatar o interesse dos ouvintes na sua emissora de rádio.

Conheça a sua audiência

Sabendo o perfil dos seus ouvintes, será possível adaptar o conteúdo que é transmitido ao longo da programação conforme as preferências e necessidades da persona que escuta os programas.Para isso, é preciso segmentar o público-alvo. Separe os ouvintes de acordo com a idade, gênero, bairro ou cidade, preferências musicais, classe social etc.

Adapte seu conteúdo à persona

Depois de conhecer bem a persona, é possível formular uma programação mais adequada às preferências desse público. Ele prefere ouvir notícias jornalísticas ou gosta mais de escutar músicas que estão fazendo sucesso? Será uma boa ideia trazer convidados para abordar determinados assuntos? E por aí vai.Dessa forma, você vai saber como produzir o conteúdo adequado direcionado para esse tipo de pessoa — estilo de música, assuntos abordados, linguagem que será adotada para conversar com o público etc.

Interaja com os ouvintes pelas redes sociais

As redes sociais se tornaram um mecanismo indispensável para as empresas que desejam se manter competitivas no mercado e alcançar cada vez mais público. Por isso, invista na presença online.Crie um perfil nas mídias sociais e estabeleça um vínculo de proximidade com os seus seguidores. Uma boa ideia é publicar artigos interessantes, criar enquetes, fazer perguntas, interagir com o que os usuários enviam etc.

Faça transmissões em vídeo

Esse tipo de recurso interativo já é muito adotado por rádios de sucesso no mercado, que fazem transmissões online. Para tanto, transmita a programação por meio de vídeos para o público poder assistir com mais riqueza de detalhes o que se passa ao longo do programa.Trata-se de uma forma de se aproximar mais do público e matar a curiosidade das pessoas sobre como funciona os estúdios de uma emissora. Uma boa ideia é deixar as câmeras ligadas durante os intervalos, para que os telespectadores conheçam o que se passa por trás dos bastidores.

 

FONTE: TELETRONIX

8 views

 

 

O projeto de lei (PL8438/17) que obriga a inserção e habilitação do chip FM em todos os celulares fabricados e montados no Brasil recebeu parecer favorável, na forma de substitutivo, do deputado Amaro Neto (PRB/ES), na Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços (CDEICS).

O substitutivo mantém, em grande parte, o texto original e altera o trecho sobre a venda de celulares com o dispositivo, ampliando a obrigatoriedade da ativação. Pelo novo texto, todos os celulares comercializados no país que possuem o chip FM – e não apenas os fabricados – devem ter o dispositivo ativado.

De autoria do deputado Sandro Alex (PSD-PR), o PL aguarda a votação pela CDEICS.

Preço de celulares não aumentará com FM

Estudos da ABERT mostram que a aprovação do projeto de lei que obriga as empresas fabricantes ou montadoras de celular a disponibilizar a recepção do rádio FM não encarecerá o preço dos aparelhos vendidos no Brasil. A maioria dos celulares disponíveis no país tem chip FM e alguns modelos são comercializados com o dispositivo desativado.

“Permitir que o consumidor compre celulares com o rádio FM é oferecer a ele a liberdade de escolha em ouvir sua programação favorita e de forma gratuita. A ABERT acredita que o rádio é um poderoso e importante meio de comunicação para a população e o projeto de lei protege os consumidores com menor poder aquisitivo, já que escutar rádio por streaming consome os créditos do plano de dados, inviabilizando o acesso à programação”, afirma o diretor geral da ABERT, Cristiano Lobato Flores.

 

FONTE: ABERT

1 view
1
2