Search

Muitos moradores das cidades do extremo sul da Bahia estão voluntariamente mobilizados para retirar o óleo que está chegando na região dos Abrolhos, desde o dia 28 de outubro.

 

As manchas de óleo já atingiram as praias da Reserva Extrativista de Canavieiras e as praias de Belmonte e Santa Cruz de Cabrália. Só no dia 29, mais de 600kg de óleo foram retirados pelos pescadores da região.

 

Apesar da boa vontade e grande dedicação de inúmeros voluntários, não podemos esquecer que o óleo é tóxico e perigoso, por isso a necessidade de equipamentos de segurança é fundamental.

 

E foi para ajudar na aquisição desses equipamentos de segurança dos voluntários que estão mobilizados para retirar o óleo que está chegando na região dos Abrolhos que surgiu a campanha #AbrolhosSemÓleo.

 

A campanha foi criada pela Conexão Abrolhos, uma coalisão formada por Rare Brasil, residente CIVI-CO, CI-Brasil, a SOS Mata Atlântica e o WWF-Brasil, Oceana- Brasil e rede de Mulheres pelos Oceanos. Este grupo de organizações tem trabalhado de forma colaborativa para alavancar a iniciativa de conservação pelo litoral brasileiro.

 

Clique aqui para doar e colaborar com a campanha #AbrolhosSemÓleo ao garantir:

 

1) Aquisição de 250 kits de proteção individual para a retirada de óleo - cada kit inclui luvas e máscaras apropriadas, botas de borracha, pás, ciscadores, espátulas, baldes e sacos apropriados, entre outros itens;

 

2) 10 dias de operação com embarcação rápida para monitoramento diário dos recifes de corais em pontos críticos - o custo da operação inclui diária da embarcação, combustível e alimentação da equipe voluntários;

 

3) 10 dias de operação com oito embarcações com redes de pesca para retirada do óleo em alto mar - o custo da operação inclui diárias de embarcações, kits de proteção individual para os pescadores e a reposição de redes de pesca que capturarem óleo (em contato com o óleo tóxico, as redes não poderão mais ser usadas para a pesca).

 

Faça a sua parte e ajude a mudar a história do maior desastre ambiental na costa brasileira!

  • redação CIVI-CO

Updated: 26 de Nov de 2019

 

No dia 21 de novembro o CIVI-CO vai completar 2 anos de vida! Para comemorar a data, criamos uma série de ações e eventos que traduzem bem o propósito do polo de impacto cívico social. E, você, claro, é nosso convidado!

 

 

13/11 - Lançamento da Pesquisa “Fake News – A força da (des)informação na rede

09h às 12h - CIVI-CO Hall Inscreva-se para participar.

Vamos debater sobre como o hábito de consumir informação falsa interfere na vida das pessoas e em suas decisões. Com Mind Miners, Muda Tudo, A Ponte, Papo Reto

 

 

 

19/11 - DIA 19 – Dia Internacional do Empreendedorismo Feminino

16H às 17H30 - Rooftop

Bate-papo com as Mulheres do Café sobre o impacto social de ser uma empreendedora. O evento faz parte de uma série de conversas promovidas pelas empreendedoras em polos de tecnologia, inovação e impacto social como comemoração da semana em que comemoramos o Dia Internacional do Empreendedorismo Feminino.

 

22/11 - Bate-papo com Ferréz

11h às 12h - CIVI-CO Hall

O escritor Ferréz fala da união entre literatura e empreendedorismo em sua carreira como autor, editor e empreendedor social.

 

22/11 - E-galáxia entrevista Heloísa Buarque de Holanda

14h às 15h - CIVI-CO Hall - Inscreva-se para participar.

A escritora Heloísa Buarque de Holanda conversa com Tiago Ferro, cofundador da editora e-galáxia A entrevista abordará temas como o conceito de literatura marginal brasileira, surgido nos anos de 19701, e o impacto da era digital no mercado editorial.

 

22/11 - Bate-papo com Edson Natale

15h - 16h- CIVI-CO HALL

Paula Carvalho entrevista Edson Natale, professor na Casa do Saber, gerente do Núcleo de Música do Itaú Cultural, músico, escritor e jornalista.

 

22/11 - CINE CIVI-CO: A dor dos Outros

16h às 18h - CIVI-CO Hall Inscreva-se para participar.

A Campanha Repense apresenta o curta metragem A Dor dos Outros, filme que conta como o carioca Otto Bohm descobriu na cannabis uma última esperança de tratamento para as intensas dores crônicas que tem na coluna.

 

23/11 - SÁBADO CIVI-CO

CIVI-CO Hall

13h30-15h: exibição do filme “Abe” (1h25m), de Fernando Grostein

15h-16h: Sarau dos Poetas do Tietê

16h-17h: exibição do filme "Repense o Elogio" (48m), de Estela Renner

17h-18h30: exibição do filme "Longe da Árvore" (1h33m), de Rachel Dretzin

Boulevard Virgílio

11h-12h: Oficina de reciclagem com Bispo

14h-15h: Clínica de skate com Social Skate

 

 

25/11 - Estratégias para Redução da Violência

09h às 11h - CIVI-CO Hall

Abordando questões como raça, gênero, criminalidade e encarceramento, especialistas em segurança debatem sobre estratégias para reduzir a violência nos âmbitos público e privado. Com: Ana Navarrete, da Rede de Justiça Criminal, Samira Bueno, do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Padre Ticão, Rafael Alcadipani, da FGV, Antonio Junião, jornalista e ilustrador do A Ponte Jornalismo.

Mediação: Bruno Paes Manso

Encerramento: Emerson Ferreira

 

25/11 - CINE CIVI-CO

12h-12h30 - CIVI-CO Hall

Exibição do curta “Mães livres”, (30m), de Miguel Angel Herreras. O documentário conta histórias de maternidade dentro e fora do cárcere pelo olhar de cinco mulheres que tiveram suas vidas marcadas pela seletividade do sistema de Justiça criminal.

 

25/11 Realidade Visceral - experiência de realidade virtual

Sala Agir (térreo)

Os espectadores são convidados a participar de uma experiência de realidade virtual que simula uma cela superlotada.

25/11: 9h -13h

27/11: 14h-18h

 

25/11 Espiritualidade Cívica

20h - CIVI-CO Hall

Encontro com o escritor e teólogo Ed René kivitz

26/11 - ODS 8: Trabalho Decente e Crescimento Econômico

11h às 15h - Brechó Descabide 

27/11 - Painel Economia de Impacto Socioambiental

09h às 11h - CIVI-CO Hall Inscreva-se para participar.

Painel sobre as potências do mercado “prateado”, empreendedorismo negro, economia indígena e impacto ambiental na economia. Com: Adriana Barbosa (Feira Preta); Cléa Kloürï (Hype 60+); Iara Vicente (YBY Festival)

 

 

Fique ligado em nossas redes sociais para mais novidades!

 

  • redação CIVI-CO

Updated: 15 de Ago de 2019

 

 

"Somos uma potência ambiental. Em todos os nossos biomas temos riquezas inimagináveis que o mundo, e nós mesmos, desconhecemos." A declaração da ex-ministra do meio ambiente Marina Silva aconteceu durante o Encontro Patrimônio Nacional realizado nesta segunda-feira, dia 5 de agosto, no CIVI-CO. O evento promovido pelo Legado para a Juventude Brasileira faz parte de um programa que nasceu em 2013 com o intuito de discutir o papel dos jovens na construção do futuro e o protagonismo deles na mudança geracional. A iniciativa da criação do programa foi da educadora Daniela de Rogatis que na época estava desenvolvendo pesquisas e trabalhos com os jovens das principais famílias empresariais brasileiras sobre os desafios da transformação do século 21. Ela procurou o Presidente Fernando Henrique Cardoso para falar sobre o desejo desses jovens de deixar o país por conta da ausência de lideranças inspiradoras. Marina foi a convidada especial do encontro.

Diante de um público atento, Marina chamou a atenção para a responsabilidade do governo brasileiro na agenda ambiental mundial e a realidade atual. "É muito triste quando vemos uma autoridade não se preocupar com o mundo. Está tendo um processo de minar recursos ambientais. O planeta já está no vermelho em 30 por cento. Conseguimos reverter isso em 2004 em 88 por cento. O Brasil não pode negligenciar na sua agenda de transição a diminuição do desmatamento. Precisamos tomar as decisões políticas, sociais, econômicas necessárias. Nós éramos uma liderança na discussão ambiental do planeta. E a nossa liderança não é de pequena monta."

Marina Silva reforçou o papel fundamental do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais no combate ao aquecimento global. Recentemente, o presidente Jair Bolsonaro demitiu o diretor da instituição, o físico Ricardo Galvão, por não concordar com os dados de desmatamento da Amazônia computados pelo Inpe. "Quando fui ministra houve uma tentativa (de alguns políticos) em desqualificar o Inpe, dizendo que os dados estavam errados. Eu sabia que estavam corretos e eles queriam convencer o presidente de que não. Estamos em recessão, com 13 milhões de desempregados, e o desmatamento aumentou. A gente tem virado uma espécie de pária ambiental. "

Marina frisou que por ser dono da "maior fábrica de água do mundo," o Brasil teria que se posicionar de forma proativa e não defensiva. "O Brasil é uma potência de recursos naturais e agrícola. Temos lições a ensinar! A gente precisa fazer como foi feito nos Estados Unidos. O governo quis investir na indústria do carvão. Houve uma resistência e Trump teve que voltar atrás. O populismo, seja de direita ou esquerda, está preocupado com o ganho imediato. Um modelo de desenvolvimento não muda da noite para o dia. A transição precisa ser feita.  Temos que ter o compromisso ético para fazer essa transição. E isso pode gerar um novo cilco de prosperidade e de empregos para nós e para o mundo. É este patrimônio, este legado, que devemos colocar em prática para construir um mundo melhor."