• Kátia Boroni

Corujas de Igreja: amigas dos agricultores

 

 

 

O uso de corujas de igreja (Tyto alba javanica) no controle de fauna nociva nos arrozais da Indonésia. Entrevista exclusiva com Bobby Suhartanto, diretor de conservação do clube de falcoaria Indonésio RCI (Raptor Clube Indonesia), e artigo do RCI sobre o projeto.

 

Por Kátia Boroni 2017 para os sites Diário de Falcoaria e Corujando por aí.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

DOWNLOAD PDF

 

O Diário de falcoaria e o Corujando por ai apoiam aqueles que se dedicam à preservação de aves de rapina em todo o mundo. Sabemos que existem muitos falcoeiros que estão desenvolvendo projetos de reprodução para reintrodução de aves ameaçadas de extinção, reabilitando aves que chegam aos órgãos ambientais, e fazendo educação ambiental. Me alegrou muito ser convidada a fazer parte de um grupo de falcoeiros da Indonésia no facebook, o "Burung Hantu Sahabat Petani" que significa literalmente, "as corujas são amigas dos agricultores". Este grupo foi criado pelo clube de falcoaria da Indonésia RCI (Raptor Clube Indonesia), que desenvolve um projeto chamado Barn owl (coruja de igreja), onde eles as usam como controle natural de roedores nos arrozais de Cancangan, Indonésia. Entrei em contato com Bobby Suhartanto, o diretor de conservação do clube, e ele me enviou um artigo e me concedeu uma entrevista sobre o projeto.

 

É muito triste constatar que a situação das corujas de igreja é a mesma em distintos países. Sempre associada a lendas de mau agouro, milhares de corujas suindaras são mortas por medo ou preconceito. Mas o esforço do clube RCI conseguiu vencer o pessimismo em relação ao projeto, e hoje as corujas de igreja não apenas são vistas como amigas dos agricultores, mas também são protegidas por eles. Essa mudança de atitude se deu através da educação, de mostrar à população o importante papel que as corujas de igreja tem no controle de roedores, e como a convivência com elas pode ser benéfica para todos.

 

Acredito que só amamos o que conhecemos, e só protegemos o que amamos, e o principal objetivo do diário de falcoaria e do seu projeto de educação ambiental Corujando por aí é o de divulgar a falcoaria e o seu importante papel, não apenas na sobrevivência desta arte de mais de 4 mil anos, mas em mostrar como ela nos permite ajudar a reequilibrar a natureza, a conservar as aves de rapina e suas presas, e diminuir o enorme dano causado à natureza por nós mesmos. Parabéns a todos os envolvidos no projeto Barn owl e ao clube RCI, contem comigo sempre!

Abraços,

Kátia Boroni.

Diário de Falcoaria - www.diariodefalcoaria.com

Corujando por aí - http://corujandoporaiea.blogspot.com.br

Jornalista responsável: Kátia Boroni – MTB: 002.0435/MG

Contato: diariodefalcoaria@gmail.com

 

O projeto Barn owl : Projeto de controle de pragas natural com corujas de igreja (Tyto alba javanica) do clube RAPTOR CLUB INDONESIA.

 

Autor: Raptor Club IndonesiaTradução: Kátia Boroni

 

A Indonésia é conhecida por seus produtos agrícolas desde a antiguidade. A sua localização geográfica fez com que a Indonésia tivesse solo fértil que melhorasse a sua agricultura. Sem dúvida, a Indonésia depende muito economicamente das suas indústrias agrícolas. Entre os produtos agrícolas que se tornaram as principais commodities na Indonésia está o arrozal. Ele é também um dos produtos agrícolas mais produzidos na Indonésia, porque ele se tornou a base das principais dietas dos indonésios.

 

 

O arroz é um tipo aquático de planta que precisa de muita água para sustentar seu crescimento. O lugar onde as pessoas cultivam arroz é chamado de arrozal. As características dos campos de arroz são coincidentemente muito adequadas para suportar a vida de muitos animais selvagens, incluindo roedores. Um dos roedores comumente encontrados na área do arrozal é Ricefield rats (Rattus argentiventer). Os ratos Ricefield são mamíferos noturnos que gostam de cavar buracos ao longo dos arrozais e se reproduzem em um ciclo rápido, alimentando-se principalmente de plantas de arroz e sementes. Esse comportamento tornou-se um problema entre os agricultores na Indonésia, porque eles perceberam que os ratos prejudicam as culturas de arroz continuamente e podem fazer com que a produção das culturas diminua. Há uma batalha sem fim entre fazendeiros e os ratos do arrozal.

Os agricultores têm usado muitas técnicas na tentativa de erradicar os ratos Ricefield, a fim de diminuir a taxa de ataque em suas culturas de arroz. Sabe-se que os ratos Ricefield migram de campo à campo em busca de fontes de alimento, especialmente quando os alimentos são escassos. À medida que o número deles se torna maior, eles vão fazer mais danos às culturas e isso é o que a maioria dos agricultores tentam evitar. Tais esforços, como o uso de rodenticidas e nebulização, não são tão eficazes contra os ratos. Os agricultores tem utilizado armadilhas para ratos e, algumas vezes por semana, eles normalmente se juntam durante a luz do dia para matar roedores que podem ser encontrados nos campos. No entanto, ambas as técnicas parecem não ser eficazes para eliminar os ratos Ricefield e impedí-los de danificar suas culturas. Os ratos Ricefield são muito ágeis, mesmo à luz do dia e uma maneira mais natural e mais efetiva é imensamente necessária para que os fazendeiros indonésios possam impedi-los de danificar suas culturas de arroz.

 

 

 

O RCI tem se interessado pela idéia de usar as corujas de igreja como controle natural de pragas. Desde 2009, a observação e monitoramento da população de suindaras em Yogyakarta foi realizada em colaboração com a Kutilang Foundation Indonesia - um clube de observação de aves. As suindaras são conhecidas por caçarem eficazmente os roedores porque os roedores são a sua principal dieta, e a taxa de caça aumenta durante a época de reprodução, pois elas precisam alimentar seus filhotes. Este fato tornou a suindara a melhor candidata ao controle natural de roedores em arrozais

 

Em 2013, o grupo de fazendeiros Margo Mulyo da Aldeia de Cancangan, Yogyakarta, teve a iniciativa de entrar em contato com Raptor Club Indonesia, porque eles estavam lutando para manter sua produção longe de roedores. Eles estavam pedindo ajuda ao RCI porque ouviram falar sobre o RCI fazendo pesquisas e observações sobre as corujas de igreja como controle de pragas, e essa foi a oportunidade para a RCI usar as suindaras para o projeto de controle de pragas em Cancangan. O resultado foi promissor o suficiente para que o RCI imediatamente sentisse o desejo de ajudar os fazendeiros de Cancangan.

 

O projeto começou com apenas um casal de corujas de igreja e uma caixa ninho, o RCI foi persistente e o esforço foi bem sucedido. Uma vez habituado e solto na área do campo de arroz, o macho foi encontrado morto e não conseguiu reproduzir com a fêmea. No entanto, a coruja fêmea sobreviveu e continuou na caixa do ninho, e acabou atraindo um macho residente que se aproximou. Não demorou muito, assim que as duas corujas foram observadas juntas, elas já começaram a reproduzir usando a caixa ninho criada pelo RCI e os agricultores de Cancangan. A primeira postura foi um sucesso; os ovos eclodiram e quatro corujas nasceram. Para o RCI e os agricultores de Cancangan este foi o momento tão aguardado. Também era hora de eles criarem outra caixa ninho e posicioná-la na área do campo de arroz novamente. Havia também poleiros no formato T (T-perch) fornecido como um posto de observação de caça a para as corujas de igreja. O poleiro as ajudou a caçar durante a noite e sua taxa de sucesso de caça aumentou desde que mais poleiros foram instalados nos campos. Assim que os filhotes emplumaram, eles já estavam ocupando a nova caixa ninho.

 

Uma vez que o número de caixas ninho aumentou significativamente para suportar a taxa de reprodução das Corujas de igreja em Cancangan, o número de ataques dos ratos de arrozais diminuiu significativamente. Esta se tornou uma história de sucesso que muitos outros grupos de agricultores começaram a ouvir e estavam curiosos para aprender. O clube Raptor Club Indonesia e os agricultores de Cancangan sempre acolhem outros para vir e estudar como usar as corujas de igreja como controle natural de pragas. Muitos estudantes de biologia das universidades vizinhas também ficaram interessados ​​e fizeram pesquisas com o projeto. Alguns estudantes fizeram observações sobre a biologia das Corujas de igreja, seu ciclo de reprodução e comportamento de caça. Eles também fizeram observações sobre os filhotes de corujas de igreja em cada caixa ninho para fornecer dados sobre a população reprodutora. As egagrópilas (pelotas) foram retiradas do ninho para identificar o tipo de presa das aves, e assim foi comprovado que elas se alimentavam principalmente dos ratos de arrozais. Muitos acreditam que as corujas de igreja são eficazes como controle natural de roedores. O uso das corujas é seguro, ao contrário dos venenos para roedores que têm efeitos negativos, já que não só matam roedores, mas também outros animais selvagens, como civetas, mangustos, esquilos. Ás vezes, galinhas, patos, cachorros e gatos também são propensos a comerem a isca e morrerem acidentalmente. Se as armadilhas de ratos estiverem sendo usadas, às vezes também irão capturar animais não intencionais, portanto o uso de armadilhas não é ecológico.

 

Em 2014, o RCI foi convidado a ir a Bali para ajudar os agricultores a criarem caixas ninhos e também a introduzirem as corujas de igreja como controle natural de pragas lá. Em 2016, o RCI foi convidado pela Pertamina (empresa nacional de petróleo) para fazer a apresentação do projeto Corujas de igreja, já que a empresa tem interesse em ajudar o Raptor Club Indonesia com o projeto. Finalmente, o RCI conseguiu convencer a Pertamina a participar do projeto Corujas de igreja. O apoio da Pertamina é benéfico tanto para o RCI quanto para a Pertamina. O RCI conseguiu fazer um programa mais extenso no projeto Corujas de igreja para os agricultores de Cancangan desde então.

 

Mais caixas de ninho foram construídas e mais poleiros foram colocados. A primeira caixa ninho agora está danificada devido ao clima, mas a RCI agora conseguiu melhorar a durabilidade das caixas ninho usando materiais mais fortes. Armadilhas fotográficas foram colocadas nas caixas ninho para monitorarem as corujas de igreja. O RCI, juntamente com os agricultores de Cancangan, também tem construído vários aviários de habituação para as suindaras. Os aviários de habituação são usados para fazer com que as suindaras se acostumem com seus arredores antes da sua soltura final na área do campo de arroz. O RCI também vem recebendo várias corujas de igreja feridas da população local. Essas aves foram entregues ao RCI por um resgate. Algumas aves foram recuperadas e lançadas na área do campo de arroz de Cancangan.

 

O RCI conseguiu participar de muitos eventos, incluindo eventos agrícolas, para fazer a introdução e educação sobre o uso de Suindaras como controle de pragas naturais em arrozais ou plantações. Muitos grupos de agricultores estão ansiosos para aprenderem sobre a técnica e o governo também é muito solidário.

O RCI também fez observações sobre a vida selvagem encontradas em Cancangan. Na verdade, há muitos animais selvagens que são ajudadas por Cancangan. Muitas espécies de aves foram registradas, como pombas, bulbules, martins pescadores, garças, socós e frangos d’água. Os mamíferos também podem ser encontrados, como mangustos, civetas, esquilos. Isso fez a RCI a se dedicar a Cancangan como uma área de refúgio de vida selvagem, de forma a apoiar a sua conservação.

 

O RCI e o povo de Cancangan estão determinados a proteger a vida selvagem. Eles colocaram muitos sinais anti-caça ao longo da área para alertar as pessoas para não caçarem. Serão punidos aqueles que quebram as regras, e os agricultores sempre farão patrulhas noturnas ao longo da área diariamente para proteger as corujas de igreja e outros animais selvagens de serem caçados por pessoas irresponsáveis.

 

 

RAPTOR CLUB INDONESIA

Jl. Kaliurang KM. 5 Gg. Pangkur No. 2

Yogyakarta, Indonesia Contact Person: Bobby Suhartanto

E-mail: bobby.suhartanto@windowslive.com

Mobile: +6285641981797

Burung Hantu Sahabat Petani (RCI Barn Owl Project)

 

 

 

 

Entrevista Bobby Suhartanto RCI

 

Por Kátia Boroni

 

1. Como você se envolveu no RCI?

 

Meu nome é Bobby Suhartanto e vivo em Salatiga, Java Central, Indonésia. Salatiga é minha cidade natal e está localizada na encosta do Monte Merbabu. É uma cidade pequena, mas famosa pelo seu clima frio e pela Universidade Cristã Satya Wacana, que recebe estudantes de diferentes partes da Indonésia. Portanto, Salatiga às vezes é referida como uma miniatura da Indonésia.

 

Atualmente, estou trabalhando com uma farmácia junto com meus pais. Ela é nosso negócio familiar, iniciado na década de 1950 e agora já está na sua terceira geração.

 

Eu sempre fui fascinado por animais desde que eu era criança e as aves de rapina são a minha maior paixão na vida. Foi no início de 2000 que descobri sobre a falcoaria e desde então sempre sonhei em ser um falcoeiro. Na época eu estava no meu primeiro ano de ensino médio, e a falcoaria tornou-se uma grande divisora de águas na minha vida. Eu estava tão ansioso para aprender sobre a falcoaria, e a internet era a principal fonte de aprendizagem, porque não havia livros ou literatura no meu país que tivesse algo a ver com a falcoaria, e tampouco falcoeiros.

 

Graças ao avanço da tecnologia da informação, os fóruns on-line e os bate-papos, em 2007 conheci várias pessoas de Yogyakarta, Java Central, que tinham o mesmo interesse em falcoaria e acima de tudo, na conservação de aves de rapina. Quando falamos de falcoaria, sempre foi sobre o uso sustentável dos recursos naturais, o que significa a conservação de aves de rapina, presas e também a preservação de seu habitat.

 

Depois de várias reuniões e discussões, finalmente decidimos nos juntar criando uma organização não-governamental sem fins lucrativos. Foi em maio de 2009 que Raptor Club Indonesia finalmente começou, sendo uma organização legal trabalhando na conservação de aves de rapina e na preservação de seu habitat na Indonésia. Existem 7 pessoas que se tornaram as fundadoras da RCI, incluindo eu:

 

L. Budiprakoso Prawiroatmodjo (Presidente),

Lim Wen Sin (Vice Presidente/ Coordenador do projeto Barn Owl),

Josafat Agung Sulistiyo (Tesoureiro)

Panji Aria Putra (Secretário),

Bobby Suhartanto (diretor de conservação),

Sobry Aljaidy (diretor de relações públicas),

Teddy Kurniawan (Diretor de pesquisa e desenvolvimento).

O projeto Barn Owl (Coruja de igreja) é atualmente nosso projeto prioritário.

 

2. Como a coruja de igreja é vista na Indonésia? Há superstições relacionadas a elas?

A Indonésia é conhecida pela sua diversidade étnica e cultural. Na ilha de Java onde moro, o povo javanês em particular acredita em muitas superstições, e os animais são o principal objeto de suas superstições.

 

As pessoas acreditam que as corujas em geral estão sempre relacionadas à morte (portadoras da morte), e as veem como criaturas misteriosas da noite por causa de sua aparência física e som "assustador". Alguns dizem que quando uma coruja grita, é um sinal de que alguém vai morrer. A coruja é chamada de "Burung Hantu" na Indonésia, que literalmente significa Ghost Bird/ ave fantasma (Burung = Bird/ave, Hantu = Ghost/fantasma).

 

Eu não tenho certeza de como as corujas ganharam esse nome, mas eu acredito que é por causa de sua aparência física (grandes olhos amarelos redondos) e também devido ao seu som à noite.

 

Esse tipo de história tem sido passado de geração em geração e continua viva entre as pessoas. Alguns pais impedem que seus filhos vaguem pela noite contando histórias assustadoras sobre a coruja, e em minha opinião isso deve ser interrompido.

 

3. Como surgiu a idéia de utilizarem a coruja de igreja como uma forma de controle de fauna natural?

O RCI tem sempre estudado e aprendido sobre aves de rapina (diurnas e noturnas). O Sr. Lim é um biólogo e ele tem feito pesquisas e observações sobre aves de rapina. Existem muitas espécies de corujas que podemos encontrar na Indonésia, desde à pequena coruja de Sunda Scops (Otus lempiji), a coruja média pescadora Buffy fish owl (Bubo ketupu) e a grande coruja Malaia (Bubo sumatranus).

 

 

No entanto, a Coruja de igreja (Tyto alba javanica) é aquela que é conhecida por caçar roedores como sua dieta principal. Ela também é encontrada por todo o país. Elas são muito adaptáveis para viver em áreas urbanas e em edifícios feitos pelo homem (até mesmo caixas ninho feitas pelo homem). É por isso que é chamada de 'Barn' Owl (coruja de igreja/celeiro).

 

É um consenso geral que a coruja de igreja é a melhor espécie de coruja para ser usada como controle natural de roedores na área de arrozais, onde a grande quantidade de roedores está se tornando um problema para os agricultores.

 

4. Como a população local de Cancangan reagiu às corujas de igreja no início do projeto e como eles reagem a elas agora? O preconceito diminuiu?

 

 

Foi o Sr. Bavit Margo Utomo - o chefe do grupo de fazendeiros em Cancangan, que primeiro veio ao RCI perguntando sobre a implementação das corujas de igreja como controle natural de pragas. Como as superstições são muito fortes, em um primeiro momento o povo estava resistente e pessimista. No entanto, acredito que é a educação que desempenha um papel importante na introdução da Coruja de igreja como controle natural de roedores na aldeia.

 

Durante os anos de 2013 a 2017, construímos mais de 10 caixas ninho e as colocamos no campo de arroz. Também colocamos inúmeros poleiros em T como ajuda para que as corujas cacem. Descobrimos que os poleiros em T aumentam a taxa de sucesso de sua caça. Algumas caixas ninhos já foram substituídas por novas. A produção dos campos está agora começando a aumentar, e está melhorando ano após ano. Juntamente com o aumento da população de corujas, agora a população de roedores está mais em um nível mais controlável. É o que faz com que os agricultores percebam o valor das corujas na caça de roedores, e como elas os ajudam a manter suas culturas seguras. Comprovadamente isso mudou a sua mentalidade, já que as corujas não são mais uma criatura assustadora para eles, mas seus verdadeiros amigos como o nome do grupo do facebook sugere. "Burung Hantu Sahabat Petani" significa literalmente, "as corujas são amigas dos agricultores". Este é o valor real do projeto, além de controlar a população de roedores.

 

As pessoas agora estão dispostas a proteger não apenas as corujas, mas também outras espécies de animais que vivem pela aldeia dos caçadores e coletadores furtivos. Eles entendem os benefícios de uma natureza equilibrada. A caça é proibida através da criação e colocação de placas anti-caça na área. À noite, a área está sob uma patrulha noturna feita pelas pessoas de Cancangan.

 

5. Qual foi a maior dificuldade para começar o projeto em Cancangan?

Devo dizer que a maior dificuldade do projeto é o financiamento. Porque somos uma organização sem fins lucrativos, portanto, sempre usamos nossos próprios fundos para fazer nossos projetos. Durante o primeiro e segundo ano, as pessoas de Cancangan foram tão solidárias e úteis que conseguimos construir uma caixa ninho com nossos próprios fundos, embora o material que usamos fosse apenas o mínimo e não tão durável (usamos o bambu como material principal, mas agora usamos aço soldado na armação do poleiro e do ninho). A primeira introdução da coruja na área do campo de arroz também foi um pouco mal sucedida, porque o macho do casal de corujas que introduzimos foi encontrado morto após vários dias de sua soltura. Por sorte a coruja fêmea continuou na caixa ninho, e ela finalmente atraiu um macho selvagem e eles formaram um casal. A partir deste primeiro casal que se reproduziu no ninho, a população de corujas começou a prosperar até agora.

 

 

 

 

Nós agradecemos a Deus por tantas pessoas que apoiam nosso projeto, que finalmente tenhamos ficado mais conhecidos, especialmente por pessoas importantes no nosso país. Em maio de 2016, a Pertamina - a empresa nacional de petróleo, nos convidou a fazer uma apresentação do nosso projeto. Eles queriam saber como o projeto é implementado, e eles querem apoiar o financiamento. Eles têm um programa CSR e eles acham que nosso projeto é adequado para seu programa CSR. Foi uma ótima oportunidade para nós fazermos a apresentação e também um grande sucesso já que a Pertamina decidiu financiar o nosso projeto. Desde então, somos capazes de construir caixas ninho mais duráveis e também construir mais infra-estrutura dentro da aldeia para apoiar nosso programa de educação. Agora, estamos adicionando mais ninhos e também construindo um edifício público para que nossa equipe faça atividades educativas no futuro. Nós sempre acolhemos nossos convidados que estão apoiando e dispostos a aprender sobre o nosso projeto, como funcionários do governo, outros grupos de agricultores, colegas e, mais importante, grupos de estudantes que estão vindo a Cancangan, não só para aprender e estudar sobre o projeto Barn owl, mas também para nos ajudar nele.

 

Há também fotógrafos de vida selvagem que nos visitam frequentemente porque eles estão interessados ​​em tirar fotos do nosso projeto, e alguns amigos provenientes da Holanda e Cingapura que apoiam nosso projeto.

 

6. Onde o projeto Barn owls está funcionando, atualmente?

O uso de corujas de igreja como controle natural de pragas foi implementado em várias cidades em Java:

Java central: Batang, Demak, Klaten e Yogyakarta

Java Oriental: Mojokerto e Malang

 

Em 2015, o RCI foi convidado para ir à Bali para ajudar um grupo de agricultores locais na introdução de corujas de igreja.

Na minha opinião, há muitos agricultores na Indonésia que estão interessados em implementar a mesma técnica e o RCI sempre os recebe para aprender através da nossa página do Facebook (Burung Hantu Sahabat Petani).

 

7. Quais são seus planos futuros?

Devo dizer que o RCI pode não ser o primeiro a usar corujas de igreja como agente natural de controle de pragas na Indonésia. Existem outros grupos de agricultores que usaram a mesma técnica. No entanto, a RCI espera estabelecer um novo padrão nacional no projeto Barn Owl em toda a Indonésia. Com a experiência e conhecimentos que temos, esperamos produzir uma melhor caixa ninho em termos de design e material, proporcionando a coruja uma caixa de nidificação que melhor se adapte à sua natureza.

 

Nós também estamos planejando fazer pesquisas e estudar para não só entender as corujas de igreja, mas também os roedores, cooperando com a universidade local, especialmente com os estudantes de biologia para que eles realizem observações sobre as Corujas, estudando seus aspectos de vida e fazendo a identificação de pelotas (egagrópilas) para obterem dados sobre os tipos de presa que as corujas caçam na natureza. Nós já estamos usando armadilhas fotográficas (câmera trap) e colocaremos mais com visão noturna no futuro, para nos ajudar a observar mais de perto suas atividades durante a noite.

 

Continuaremos educando as pessoas para que tenham uma compreensão adequada em relação à vida selvagem, especialmente em relação às corujas de igreja. Deve ser dada maior atenção e foco para que as pessoas percebam a importância da coruja de igreja no controle da população de roedores. Eles não devem teme-las, mas protegê-las.

 

O Raptor Club Indonesia com o projeto Barn Owl espera ser a principal fonte de informações sobre a coruja de igreja como agente natural de controle de pragas. Nós sempre receberemos os outros se quiserem aprender sobre isso, e esperamos que a implementação de corujas de igreja seja em todo o país, pois é muito mais barato e natural do que usar veneno que não só matará roedores, mas também outros animais selvagens.

 

Esperamos que o governo sempre nos ajude a alcançar nossos objetivos no futuro.

 

 

 

RAPTOR CLUB INDONESIA

Jl. Kaliurang KM. 5 Gg. Pangkur No. 2

Yogyakarta, Indonesia Contact Person: Bobby Suhartanto

E-mail: bobby.suhartanto@windowslive.com

Mobile: +6285641981797

Burung Hantu Sahabat Petani (RCI Barn Owl Project)

 

#controledefauna #Corujandoporaí #interviewentrevista #tytofurcata #Corujasowls

26 views