search-input.placeholder

Bitcoin é sim um investimento e qualquer um que diga o contrário é burro ou desinformado.


Claro, você não é burro e sabe que isto não se configura de forma alguma como conselho de investimento, não me leve a sério.

Sim, cheguei a está conclusão bombástica e desta vez não terei medo de falar. De fato, qualquer um que argumente, mesmo nos moldes fundamentalistas de analise econômica, que Bitcoin ou mais especificamente criptomoedas não são investimentos, está absurdamente enganado ou desinformado. Não por dolo na maioria das vezes, mas com toda a certeza por sua falta de apetite em estudar mais a sério a questão antes de sair cagando regras nos meios de comunicação. Nem vou argumentar aqui contra aqueles como Ilan Goldfajn (Presidente do Banco Central), idiotas compulsivos que pregam que Bitcoin além de ser bolha, ainda é pirâmide financeira. Meu deus, como os termos se perdem no mainstream.

Para ser inteiramente sincero não me importo muito com o Bitcoin, o titulo deste texto possui o nome em destaque apenas para chamar mais a atenção. O Interessante na verdade é a estrutura por trás do Bitcoin, a tal Blockchain. E especificamente, as possibilidades que a tecnologia proporciona ao mundo. A matemática por trás dos projetos de ICO que ainda é ignorada por muitos economistas, as estruturas técnicas dos Tokens e demais criptomoedas, o acesso a informações fundamentais para um investidor sobre a empresa ou qualquer outro ativo neste meio em que este esteja investindo, a transparência no acesso a projetos e claro, o potencial de um mercado que ainda está se consolidando. O mercado de capitais da era digital irá não só revolucionar o mercado financeiro internacional no sentido especificamente tecnológico. Irá mudar drasticamente a forma como investimos e como lidamos com o dinheiro, o que entendemos sobre o que é o dinheiro em si. Irá democratizar o acesso a plataformas de investimentos aos pequenos investidores. Um investidor simples, sem muitos recursos ou conhecimentos técnicos, poderá investir de seu computador no novo Instagram, no novo Google, na nova Amazon. Poderemos pagar a conta de gasolina diretamente em Petróleo ou mesmo efetuar uma transação financeira da China para o Brasil em 5 minutos, sem entraves, sem burocracia ou custo elevadíssimos (Pense nisto em escala de comercio internacional). O empreendedor poderá automatizar na forma de contratos inteligentes o pagamento de despesas e receitas, a divisão de resultados de uma empresa, ou nem precisaremos de empresas com poderes centralizadores e surgirão startups de serviços comunitários decentralizados. Poderemos usar um APP de transporte sem precisar de um cartão de crédito e não precisaremos pagar por que o sistema deduz de sua conta o valor de forma inteligente em relação ao serviço prestado, assim como o motorista não precisará pagar Royalties de seu soldo ao Uber. A sua geladeira irá através de contratos inteligentes identificar quando está faltando comida e solicitar o reabastecimento de forma automatizada no melhor custo beneficio. Não em Bitcoin só, Bitcoin será a porta de entrada para um novo mundo, um mundo que está em plena construção. Um mundo mais confiável, aonde a tecnologia irá presar pela automação e maior segurança, com menos poderes centralizadores corrompíveis.

É disto que estamos falando. E isto não é nem a ponta do iceberg da discussão, poderia ficar horas escrevendo apenas sobre o pouco que conheço do mercado. Um mercado de 600 bilhões de dólares não se constrói por um acaso ou por que um monte de bobo está especulando. Convido você a entender melhor o que é a Blockchain. Convido você a estudar sobre Ethereum ou mesmo sobre a Bitnation. As coisas são mais complexas do que aparentam e infelizmente, a verdade é que existe um mar de possibilidades expostas hoje e que muitos, por desinformação, apenas vulgarizam o setor. Não que isto seja ruim, escrevi anteriormente que a melhor forma de identificar uma oportunidade é antes de ela ser levada a sério, depois disto todos querem e ela já estará cara. Quando escrevi meu texto no dia 13/09/2017 com o Bitcoin a cerca de R$ 18 mil, muitos me chamaram de louco. Hoje com o Bitcoin a quase R$ 70 mil os investidores do mundo a fora se avexam querendo investir tudo que tem.

Mas e o valor intrínseco Erik? Primeiro que para entender este dado é importante compreender o processo de mineração e a matemática por trás da escassez da moeda que determina a dificuldade, como o tempo afeta isto e o custo de investimento para a “fabricação” de um Bitcoin (para exemplificar o processo, mas existem processos diferentes em outros ativos), como a matemática impede, por exemplo, que o custo de mineração de um Bitcoin seja o mesmo com sua cotação a $1 ou $ 10000. Automaticamente o sistema se adapta para que o minerador, e que por consequência o custo de “produção” de um Bitcoin acompanhe a realidade de mercado. O que quero dizer é que se hoje você quiser minerar um Bitcoin irá possuir o custo de produção correspondente ao mercado real, seu investimento em tempo, equipamentos, gastos energéticos, gastos de telecomunicação e manutenção serão quase os mesmos R$ 60 mil reais. Se o Bitcoin valer R$ 200 mil o gasto irá sistematicamente acompanhar, assim como será muito mais fácil minerar Bitcoin se ele cair para R$ 20 mil reais. Por tanto, não existe está história de que o custo mínimo do Bitcoin é tal ou tal. A escassez é pré-determinada e bem, isto é contabilidade básica. O Custo de produção de um ativo determina, pelo menos a meu ver, uma base logica para seu custo mínimo de comercialização. Misturei os conceitos mas o importante é a logica.  

Outro dado importante é a capitalização de mercado que determina não só o sentimento do investidor, mas também a estrutura do projeto em questão de robustez, ou seja, quanto mais dinheiro em algo, provavelmente mais este algo irá ser complexo, mais investimento humano e tecnológico haverá em seu desenvolvimento. E fica a dica ao investidor, um acompanhamento constante de criptos em relação ao seu capital pode trazer informações importantes sobre o ativo. Por um exemplo: Se existe uma ICO de grande captação de recursos, o White Paper é bom e sua equipe é experiente e se comunica bem com os investidores, principalmente se o projeto não estiver nos primeiros dias, estes são pontos positivos. Se a capitalização do projeto aumenta exponencialmente, ponto positivo também. Desta forma você começa a fazer uma analise vejam, de investimentos, fundamentalista, sem achismos, sem apostas, sem analise de gráficos que tentam loucamente dizer o futuro, ou promessas de rentabilidade que não existe. Se você observa o faturamento de uma empresa, pode acessar seu extrato da conta corrente para ver como ela controla suas receitas e despesas, tem acesso a seu plano de negócios e pode se comunicar com os membros da organização, você pode simplesmente acompanhar a saúde da empresa em que investe e tomar as melhores decisões. E isto bem, é analise fundamentalista de investimentos meus queridos. Inclusive, contrariando alguns tolos milionários (Investidores de renome, irresponsáveis e que não tem a pele em jogo e saem bancando o oráculo) que argumentam que o Bitcoin não é um investimento por que não paga dividendos, obvio que não. Mas, convido estes a estudarem sobre os tokens ERC20 que podem bem, distribuir dividendos das empresas a seus investidores de forma automatizada.

Por fim, claro, tenho que alertar que tudo que digo aqui é direcionado a alguém que estuda sobre o que está fazendo, que encara isto de forma séria e sem sonhos de riqueza fácil. A regra numero um de investimentos é: Nunca investir naquilo que não conhece. Entendo as declarações sobre os riscos de se investir em Bitcoin, alavancado então, acho perigosíssimo, mas também acho que os tais “especialistas” fazem um desserviço a população quando jogam o Bitcoin no escopo de pirâmides financeiras e bolhas.

view-count.label