• Zé Ricardo (TrEiNoPeT)

Cães e Comunicação

Atualizado: Ago 19

Recentemente, uma amiga bem próxima me disse que queria conversar comigo sobre alguns comportamentos da cadelinha dela e de como eu poderia orientá-la. Antes de tudo, enviei um formulário que eu uso profissionalmente e pedi a ela que o preenchesse. "Preencha como se você não me conhecesse", eu disse.

Já era madrugada quando verifiquei o formulário que recebi de volta preenchido e, para dar vazão a meus pensamentos, escrevi um e-mail e o enviei à minha amiga. Após clicar em "enviar", achei que aquela mensagem poderia ser interessante para mais pessoas e, então, decidi que a transformaria em um post de blog.

O texto a seguir é, portanto, uma mensagem real dirigida a uma amiga real, modificada apenas na medida necessária à despersonalização.

O adestrador pode orientar o humano sobre linguagem corporal de cães.O adestrador pode orientar o humano sobre linguagem corporal de cães.
É responsabilidade de quem ama um bichinho desses aprender a reconhecer as emoções dele.

Prezada amiga, achei revelador o fato de você ter sentido tanta dificuldade para responder justamente as questões sobre:

- como você lida com os comportamentos inadequados do seu cão;

- como você recompensa os bons comportamentos dele; e

- quais as situações em que seu cão exibe certas "expressões corporais".

Acredito que isso seja uma indicação de que você se comunica mal e/ou pouco com a sua peluda, bem como não reconhece adequadamente as emoções dela: não dá muita orientação a ela a respeito do que você gosta ou do que não gosta, não percebe suficientemente o que ela gosta e o que a faz se sentir desconfortável, e não tem uma ideia clara sobre quando ela consegue te entender e das vezes que ela fica confusa e/ou estressada.

Talvez, as pessoas em geral se perguntem, ainda que inconscientemente: "Se eu contratei um adestrador, como é que pode esse adestrador querer que eu faça tudo?". Entretanto, eu não vejo outro jeito: se o dono não fizer "tudo", é quase certo que o cão se desenvolva pouco e devagar, assim como é bem provável que ela regrida em semanas ou meses após a última sessão com o adestrador.

[Saiba mais sobre a importância do comprometimento do principal tutor e da família aqui.]

Você diz que sua cadelinha é doce e brincalhona, e que você baba só de olhar pra ela e dá muito carinho a ela. Eu sei que é verdade, mas também sei que você está se referindo à sua casa, quando você está lá. Contudo, é responsabilidade de quem ama um bichinho desses exercer liderança, se comunicar o melhor possível e reconhecer as emoções dele dentro e fora de casa nas mais diversas situações.

Imagine, por exemplo, se você adotasse uma menina de oito anos que se comunicasse por LIBRAS, mas você pensasse: eu vejo minha filha fazendo sinais, mas não presto muita atenção porque não sei o que eles significam; eu sei que minhas expressões faciais, meus gestos e todo o meu corpo "falam" (mesmo quando eu não estou prestando atenção nisso), mas eu não sei se minha filha entende o que eu quero dizer ou se entende justamente o oposto. Mas eu a amo, e isso basta.

Agora, imagine, apenas como mais um exemplo, se você tivesse um filho autista, que sentisse um enorme desconforto quando outros meninos e/ou meninas se aproximassem muito dele e/ou o tocassem (ainda que a intenção deles fosse apenas de interagir/brincar) e que, em alguns casos, isso poderia desencadear uma crise. Imagine se, ainda assim, você pensasse: eu não sou capaz de reconhecer os sinais que ele emite e acho que deve ser difícil. Por isso, prefiro deixar acontecer e rezar para que isso melhore "com o tempo".

Tenho uma má notícia pra te dar: não é assim que funciona!

Um adestrador profissional pode te ajudar a interpretar o que seu cão "diz" e a "dizer" a ele o que você espera dele.Um adestrador profissional pode te ajudar a interpretar o que seu cão "diz" e a "dizer" a ele o que você espera dele.
Você pode aprender a perceber e interpretar o que seu cão "diz" e a "dizer" a ele o que você espera dele.

A boa notícia é que, com um pouco de dedicação, com um olhar atento sobre sua mascote, e sabendo escolher as boas fontes de recursos disponíveis (por exemplo, na internet, existem fontes excelentes e gratuitas, e outras menos recomendáveis), você pode aprender em pouco tempo a perceber e interpretar o que sua cadela "diz", bem como a transmitir "mensagens" de um modo que ela consiga compreender.

E caso você precise de ajuda ou de alguém para guiá-la nesta missão, saiba que pode contar com o amigo aqui e/ou com o adestrador profissional (eu, também, rs).