• Henrique Koifman

Turbo vitamina Honda HRV, mas sai caro

 

 

Não faz muito tempo, testamos aqui na Rebimboca a versão EXL do Honda HRV 2019. Como todos os HRV até então, ela era – e é, pois continua em linha – equipada com o tradicional motor flex 1.8 aspirado da marca, que rende 140 cv de potência e 17,3 kgfm de torque. Me lembro de comentar no texto que, em mais alguns meses, chegaria às lojas uma nova versão do carro, equipada com o motor turbo 1.5 do Civic topo de linha o Touring. Pois bem, é esse Honda o HRV Touring o nosso assunto deste post e do vídeo que produzimos para a TV Rebimboca (acima).

 

Motor 1.5 turbo do Honda HRV Touring 2020

 

O motor, que nesta versão só bebe gasolina, gera 173cv e 22,4 kgfm e, como era de se esperar, torna o antes comportado HRV bem mais divertido de dirigir. Mas as diferenças não ficam por aí. O carro ganhou um caprichadíssimo banho de loja, e itens mais óbvios, dos quais senti falta nas versões anteriores – como o espelho retrovisor interno antiofuscante, por exemplo – agora estão todos lá. E, também, como no Civic Touring, há recursos bacanas, como a câmera instalada no espelho retrovisor direito e que, literalmente, elimina os pontos cegos daquele lado, projetando imagens na tela da multimídia toda vez que você liga a seta (pisca-pisca) para lá.

 

 

Teto panorâmico bacana

Além disso, o acabamento interno, que já era bom nas versões mais baratas, teve um upgrade e tanto e os bancos e painéis são forrados em um couro de aspecto mais sofisticado (e agradável ao toque) e a partida é por botão, com chave de aproximação. Como cereja sobre (literalmente) o bolo, há agora um ótimo teto solar panorâmico de vidro, que dá aos passeios uma outra e bela dimensão. Tudo isso de série – opcionais, apenas as cores metálicas da pintura.

 

Destoando um pouco, o painel de instrumentos, bem simples para o padrão do carro, ainda não entrou na era digital.No mais, em termos de espaço e modularidade, tudo continua – felizmente – igual. Para não ter de repetir essa parte, sugiro que você releia o post e assista ao vídeo anterior que fizemos com a versão EXL do HRV. E pode rever também post , e vídeo sobre a versão anterior do HRV Touring, ainda com motor 1.8.

 

 

 

Na estrada

Para poder comparar melhor a performance do carro com o novo motor, resolvi pegar, também, a estrada com ele. Incluindo uma boa serra pelo caminho e com quatro ocupantes a bordo. E que diferença… Não que o motor 1.8 dos outros fosse fraco, mas com a imensa reserva de torque do turbo, disponível já com um leve toque no acelerador, o HRV praticamente mudou de personalidade. De pacato, passou a atirado, mesmo tendo um comportadíssimo câmbio CVT gerenciando (e moderando) a movimentação. Na média geral, rodando uns 200 km em estradas (com subidas de serra e trânsito) e uns 150 km na cidade, o consumo ficou em 12,3 km/litro.

 

Para garantir a segurança com o ganho de desempenho, a Honda recalibrou a suspensão, que ficou um pouquinho mais rígida, e mexeu também nos freios. Com isso, a impressão que tive é que a dirigibilidade melhorou como um todo e o carro ficou ainda mais na mão. Não chega nem perto de ser um esportivo, não ficou duro nem estimula manobras mais arrojadas – afinal, continua sendo um SUV, aquele tipo de veículo com ares aventureiros e que, para se enquadrar na moda, é mais alto em relação ao solo do que seria ideal para um automóvel.

 

 

Para aqueles momentos em que você se esquecer disso e pisar um pouco mais, há até controles de tração e de estabilidade que funcionam de maneira discreta, mas providencial – incluindo um sistema que interfere nos freios das rodas isoladamente, para manter a trajetória em curvas.

 

 

Concorrência e preço

O mercado para SUVs do mesmo porte é bem disputado. Lá estão disputando a garagem do consumidor os Jeeps Renegade (versões mais caras) e Compass (versão mais simples), O Chevrolet Tracker Premier, o Cherry Tiggo 5, os franceses Peugeot 2008 THP e Citroën C4 Cactus e o Volkswagen T-Cross 120 tsi (1.4 turbo). E todos eles têm preços mais baixos que os R$ 139.900 (vulgos “quase 140 mil”) do Touring. Com versões do HRV 1.8 a partir de R$ 94,5 mil, a Honda não deve estar lá muito preocupada em atingir um alto volume de vendas com a opção turbinada (e mais recheada). A ideia deve ser apenas preencher todas as possibilidades da gama e, quem sabe, conquistar aqueles fieis fãs da marca (que são muitos e isso não é à toa), que estão atrás de um SUV completo e com bom desempenho, mas não a ponto de pagar os R$ 194 mil cobrados pelo irmão maior, CRV.

 

 

 

Ficha técnica

Honda HRV Touring 2020

(Dados do fabricante, gasolina)

Motor:

1.500 cc, turbo 16 válvulas com Injeção Direta

Potência: 173 cv @5.500 rpm

Torque: 22,4 kgfm entre 1.700 e 5.500 rpm

Transmissão: aut. CVT com opc. de troca manual (7 marchas)

Tração dianteira

Suspensão: diant. MacPherson, tras. com barra de torção

Direção: com assist. elétrica progressiva – EPS

Freios: discos nas 4 rodas com ABS e EBD; freio de estacionamento eletrônico com função Brake Hold

Dimensões (mm):

Comp. 4.329, dist. entre eixos 2.610; alt. 1.605, larg. 1.772

Peso: em ordem de marcha 1.380 kg

Capacidades (litros): tanque de gasolina 50; Vol. porta-malas-393

Rodas e pneus: liga leve R17/ 215/55

Desempenho: Acel. 0 a 100 km/h: 8,9 seg.; vel. Máx: 200 km/h

Consumo (km/litro): Cidade 11,5, estrada 14,6

Segurança e assistentes:

Airbags – 6 (front, lat de cortina)

Estrutura de deformação progressiva ACE

Sist. de alerta de frenagem emergencial ESS

Assist. partidas em aclives HSA

Assist. tração e estabilidade VSA

Assist. dirigibilidade ágil AHA

Assist. redução de ponto cego (câmera)

Preço: a partir de R$ 139.900

 

9 visualizações